Eleitores de Doria não aprovam seu voo presidencial

9/outubro/2017 - 6:50 pm

Publicado por

Edson Nascimento, 48, é jornalista. Nasceu em Belém do Pará, mas mudou-se para São Paulo quase trinta anos atrás. Entre 2000 e 2015 dirigiu o Projeto Pão Nosso, Ong que atendeu mais de duas mil crianças e jovens, oferecendo educação, profissionalização e renda. Em algum momento da vida colocou na cabeça que ia transformar o mundo.

Doria e seu estilo inconfundível em romaria fluvial, em Belém: a três mil quilômetros de distância, sua aprovação afundava

Enquanto recebia na capital do Pará o título de cidadão belenense, o prefeito de São Paulo, João Doria Jr. via sua gestão perder corpo na aprovação popular. A lua de mel durou pouco, o desejo pelo novo arrefeceu porque o novo, simplesmente, não é novo. A fanfarronice e o descaramento com que viaja pelo Brasil e o mundo, em evidente campanha presidencial, escancarou sua indiferença pelos eleitores e sua alma de político velho e velhaco.

O gestor que governa pelo Facebook expôs a tibieza de seu projeto para a administração municipal ao abandonar a cidade em seus voos eleitoreiros, colocando em xeque a percepção de sua capacidade e competência, tão alardeadas durante a campanha passada. O nosso “prefake”, agora, tem aprovação de apenas 32% dos paulistanos. E o horizonte é de queda.

Doria não estava por acaso em Belém. No último domingo, realizou-se na cidade o Círio de Nazaré, a maior procissão católica do mundo, que leva às ruas cerca de três milhões de pessoas. Sendo assim, é comum que políticos busquem a projeção junto aos fiéis durante a festa. A prática é corriqueira, tanto que, neste ano, Temer e Bolsonaro também se aproveitaram de Nossa Senhora de Nazaré para aparecer um pouquinho.

Temer, Doria e Bolsonaro no Círo: valei-nos, Nossa Senhora de Nazaré!

Notícias